sábado, 14 de outubro de 2017

Pela calçada vazia...





O anoitecer chegou devagar
vazia de vida ficou a calçada
nem passos nem palavras,
sentimentos deixados ao abandono
espalhados aqui ou ali,
fazia sentido apanhar
ali ou aqui
todos...
eram tantos...
não caberiam num abraço.
Quis o silêncio e a noite,
quis a paz e o luar
a brisa quente
e o som...
aquela doce melodia
que me traz de volta a magia
e me devolve o amor.
Procurei-te
em todos os becos e saídas
em tudo que parecia poesia
nas fontes
nas sombras
nos lugares do costume.
Percebi que te perdi
ao tanto querer encontrar-te.

in "Um dia vou encontrar-te"
   Nani Carvalho














domingo, 24 de setembro de 2017

Quando a Lua tem um rosto...








Entre a Vida e o Momento
a conversa é sobre Eles...
Triste e magoado o momento não entende,
culpa a Vida,
acha-a incompetente.
-Porque fazes isso?
-A minha função é fazer acontecer,a tua,momento,é deixar que aconteça.
Pensativo o momento vai buscar memórias,sorrisos,emoções...
Percebe então que foi ele que falhou,
Eles tinham tudo,a Vida sabia...
O momento foi cedo demais,
havia emoções por viver em outros lugares,
havia erros do passado por corrigir,
havia um caminho a percorrer passo a passo
havia uma Lua de distância
um oceano pelo meio
uma musica que ainda não tocava...
Mas há o tempo
aquele mágico tempo capaz de guardar e esperar
há a ilusão
há a esperança
e há a Vida...
Ela repete as vezes que forem precisas até que o momento seja.
Entretanto...
"Em cada noite ao luar e ao sonhar
  é a ti que vou amar"(Aroma da Alma)


Nani Carvalho

in "A vida é que sabe"



sábado, 12 de agosto de 2017

thank you stranger






Thank you stranger...

Era uma noite quente de Setembro,
apetecia tudo menos regressar ao hotel, o ambiente que se vivia naquele fim de semana em Madrid parecia escolhido por quem sabe o que aprecio.
Envolvida por uma espécie de magia decidi ficar, mesmo sabendo que 4 horas depois teria que apanhar um avião e quanto mais me demorasse , menos dormia...
E qual é o teu problema, pensava... fazes directa!
Lá consegui chegar ao bar, tarefa dura e demorada, entre atropelos, pisadelas, e muito sentido de humor, de quem como eu ,estava ali para se divertir, dançar e ver gente bonita.
"Una coca-cola zero con hielo por favor",gracias
-Una quê?
Diz uma voz ao meu lado...
Puedo ofrecerle una copa de champán?
tenemos que hacer un brindis,...
Por esta noche caliente,
por Madrid
e por todas las hermosas mujeres que nos visitan.
Agradeci, tentei explicar-lhe que não bebo ,mas qualquer coisa que dissesse era em vão, estava decido!
Educado ,gentil e simpático, não tive como recusar...
terminei o brinde com um " a ti" e Obrigada!!!
Despedi-me e fui até ao outro lado onde estava o grupo de amigos com quem tinha ido,
a minha expressão devia ser tão alegre, que suscitou alguns comentários malandros .
Sorri e encolhi os ombros!
Como se alguma força me tivesse atraído,
Olhei em direção ao canto oposto do bar.
Oh meu Deus, o que é aquilo?
Encostado ao balcão, de copo na mão, com ar descontraído e seguro, de olhar intenso e quase perturbador ,balançava-se suavemente ao som da musica.
À sua volta o ritmo era frenético, o que mais o fazia sobressair no meio daquela confusão de corpos suados e braços no ar.
Sem conseguir desviar o olhar, a minha expressão de incrédula, provocou-lhe um sorriso sedutor...
Aquele sorriso tinha magia, um não sei quê feito de tudo, de tudo o que aprecio num homem,
e que de repente me levou até outro sorriso,
à memoria de um outro local,
onde já não vivo
que já não me pertence
mas que não ouso esquecer...
Quem sabe o destino, num dia destes qualquer, te leva a ti aquele bar, onde eu chegarei a seguir...
E enquanto isso não acontece, eu vou tendo assim uns sorrisos...
que apenas me fazem lembrar o teu!

Aroma da Alma

Nani carvalho

quarta-feira, 24 de maio de 2017

O olhar que a lua me deixou ver...








O cenário era semelhante aquele que sempre imaginei,a casa,os materiais, a luz e a paisagem envolvente quase me deixavam sem folgo.
Bem vistas as coisas, esta casa ocupava uma posição intermédia,como se o homem e a natureza tivessem chegado a um impasse na sua batalha pelo mais belo enquadramento.
No alpendre as duas cadeiras tinham a mesma ilusão e desejo,viradas uma para a outra,parecia que namoravam,tal a cumplicidade.
A noite aproximou-se devagar,tão discretamente que quase não dei por ela.
Tive vontade de dizer...
Mas a palavra que me saltava do peito não me pareceu suficiente para exprimir o que se sentia ali.
Quando escureceu e a lua iluminou timidamente o seu rosto, encontrei finalmente a palavra...
Não,não era "gosto de ti"...
Era um amo,
amo tudo o que sinto contigo.
Amo-te!


Nani Carvalho

in "A vida é que sabe"







terça-feira, 25 de abril de 2017

Rosa,sempre!







E eis que uma revolução acaba com a reputação duma flor.
Já ninguém a usa em arranjos de mesa nem em ramos de noiva,já não faz parte de jardins cuidados e elegantes,e não entra em nenhum quarto de hospital onde acabou de chegar um recém nascido...
Esta associação ou colagem retirou-lhe protagonismo , significados(outros)...que crueldade pobre cravo.
Mas ainda bem que foi ele e não a rosa,ainda bem que tu ó rosa tens espinhos, foram eles que te salvaram.
Eu festejo a Liberdade de expressão e o fim da ditadura... sem cravos e sem grande emoção!
Na verdade és tu ó rosa que me comove e representas todos os momentos felizes.
Pode ser que um dia te associem ao fim do terrorismo e da fome no Mundo...
E até te consigo imaginar deslumbrante a voar no bico duma pomba branca!

Nani Carvalho

Abril 2017

quinta-feira, 23 de março de 2017

"E porque morreu uma andorinha não acabou a Primavera"...






Chegou a Primavera sem ti
os dias ficaram maiores e mais quentes
a cada manhã novas flores desabrocham
cheias de vida e de cor
da minha janela aberta de par em par
entra o sol o ar e o som da natureza
não dei pela tua falta
é porque não eras assim importante
ficaste lá no teu cinzento e frio habitat
de onde não sais porque tens medo
onde permaneces sombrio e desencantado
preso e atado de pés e mãos
não porque te prendem,
a gaiola esteve sempre aberta
podias escolher a vida
mas não sabes...
Há tantas coisas que não sabes!
Ninguém quer viver aí
é por isso que vives sozinho
descontente
mal humorado
triste
cinzento!
Chegou a Primavera
e já ninguém se lembra de ti
não juntaste afectos e carinhos
nos Invernos que passaram
Não guardaste nada
porque não sabes receber
e como também não sabes dar
foste ficando vazio e  mais cinzento!
Só há 3 cores primárias
vermelho do coração
amarelo do sol
e Azul do Céu
todas elas misturadas com cinzento
dão cores  tristes e apagadas...
assim é nas cores
assim é na vida!
Sabes
chegou a Primavera
e nós só queremos saber de cores
alegres
leves
quentes
escuro só na pele bronzeada e saudável
 na noite estrelada
e no céu iluminado
e a cada amanhecer
envolto em tons laranja
já nem me lembro que cinzento
afinal era uma cor.

Nani Carvalho

In " Se for vida que seja imortal"















segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Namíbia vê lá o que é que fazes...estás avisada!







E que dizer para além do que já sabes...
As palavras são agora tão poucas
e as que sobram incapazes,
parecem vazias.
Resta uma,
chama-se esperança
que abraçada à coragem
me deixa acreditar.
Não tenhas medo,
vais acordar numa manhã destas qualquer
dessa viagem que te traz de volta
com a vida a sorrir-te
abraçada ao mar e ao vento
com a tua prancha ao lado.
E nós,
nós assim como quem nem sabe
esperamos por ti na praia,
começou o vento a soprar
é preciso montar o kite.
Despacha-te,
este mar esta praia e esta vida
não são nada
se não estiveres aqui.
Vá lá...
Despacha-te.

💓💓

Nani Carvalho

in "Namíbia, vê lá o que é que fazes"...












Pela calçada vazia...

O anoitecer chegou devagar vazia de vida ficou a calçada nem passos nem palavras, sentimentos deixados ao abandono espalhados aq...